sexta-feira, 18 de setembro de 2015

O Amor, Meu Amor (Mia Couto)

Nosso amor é impuro
como impura é a luz e a água
e tudo quanto nasce
e vive além do tempo.

Minhas pernas são água,
as tuas são luz
e dão a volta ao universo
quando se enlaçam
até se tornarem deserto e escuro.

E eu sofro de te abraçar
depois de te abraçar para não sofrer.

E toco-te
para deixares de ter corpo
e o meu corpo nasce
quando se extingue no teu.

E respiro em ti
para me sufocar
e espreito em tua claridade
para me cegar,
meu Sol vertido em Lua,
minha noite alvorecida.

Tu me bebes
e eu me converto na tua sede.
Meus lábios mordem,
meus dentes beijam,
minha pele te veste
e ficas ainda mais despida.

Pudesse eu ser tu
E em tua saudade ser a minha própria espera.

Mas eu deito-me em teu leito
Quando apenas queria dormir em ti.

E sonho-te
Quando ansiava ser um sonho teu.

E levito, voo de semente,
para em mim mesmo te plantar
menos que flor: simples perfume,


lembrança de pétala sem chão onde tombar.
Teus olhos inundando os meus
e a minha vida, já sem leito,
vai galgando margens
até tudo ser mar.
Esse mar que só há depois do mar.

---------------------------------------------
Mia Couto é pseudônimo de Antonio Emílio Leite Couto, nascido em Moçambique, em 1955, ele é um dos escritores mais influentes desse país e o mais traduzido também. Sua obra literária inclui poesias, contos, romances e crônicas que apresentam muitas referências da tradição e memória cultural africanas, ele possui obras que podem ser consideradas bastante regionalistas. Teve seu primeiro livro de poesia "Raiz de Orvalho" publicado em 1983, daí até então, Mia Couto tem ganhado vários prêmios (como por exemplo, o Prêmio Camões em 2013) e é aclamado em diversos países.

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Não tenho ambições nem desejos.
Ser poeta não é uma ambição minha,
É minha maneira de estar sozinho.
(Fernando Pessoa)